quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Transição capilar,mais que cabelo



 Tudo começou a mudar exatamente nessa foto. Eu tenho o registro do exato minuto que eu me olhei e não achei meu cabelo natural feio, pela primeira vez.Essa foi a foto que iniciou tudo, 18/09/2017.
Eu passei mal, tive vontade de deletar, pensei que eu estava me expondo demais quando publiquei essa foto no meu Instagram (@hellolayni).Tive impulsos de deletá-la, medo de quem já tinha visto e do que achariam. Pra completar publiquei o texto mais sincero de toda a minha vida.Eu jamais acharia que teria coragem, mas eu tive.
Uns dois dias depois a foto foi repostada no ig do @meucabelonatural, eu não entendi nada, fiquei atordoada e essa foto teve mais de 520 curtidas e cerca de 30 comentários lindos. Eu JAMAIS achei que se identificariam tanto com o que eu contei, muito menos que além de me encorajarem, eu encorajaria outras meninas. A foto acabou tendo mais exposição do que jamais esperaria. O meu grito de guerra foi ouvido. De lá pra cá não têm sido fácil, mas também até essa foto foi bem menos. Mas de uma coisa eu tenho certeza, a transição capilar para mim, foi muito mais do que cabelo. Eu só não sabia.


Essa história é muito,muito longa. Teríamos que voltar aos meus 5 anos,hahaha Eu contei a história naquele post que fiz no insta,então vai lá ler porque não conseguiria colocar tanto sentimento verdadeiro quanto coloquei lá, em lágrimas. Mas essa parte também precisa ser lida.

Essas duas fotos acima têm muita história e ficaram guardadas por muitos anos. Pra ser sincera nunca achei que publicaria a primeira. Mas hoje eu fico feliz de tê-la tirado e tê-la guardada. Eu amo ela, eu me amo nela. Foi a primeira vez que eu tirei uma foto de cabelo solto, até então eu nunca tinha soltado ele, eu lembro de olhar pra essa foto e gostar tanto dele assim, mas quando cogitei e comentei que queria usá-lo assim, eu lembro de ninguém próximo a mim ter concordado muito menos apoiado. Como dá para ver nas datas, 3 dias depois eu fiz progressiva. Pela primeira vez. Mas antes disso eu cortei ele curtíssimo três vezes, eu achava dentro da minha cabecinha que ele cresceria "bom",de verdade. Aí ele crescia igual e era decepcionante e frustrante (eu tenho fotos,mas não me sinto bem em publicar essas. Eu mal consigo olhar pra elas, porque me lembram a dor e a frustração que eu sentia).
Claro, eu sofri bullying a minha vida escolar inteira. Sempre,sempre tinha alguém pra me "sugerir" escovar ele, mesmo eu garantindo que ele estava bem preso, sem um único fio fora do lugar. Mesmo com a cabeça estourando de dor. Nem mesmo pra dormir eu o soltava. As pouquíssimas vezes que eu saí com ele solto e pingando de molhado, eu me senti tão neurótica na rua, que não valeram toda a aflição que eu senti. Foram menos de 3 vezes.

Quando ele estava de progressiva eu podia ser finalmente a garota que eu queria, que eu era. E virava outra pessoa. Auto confiante, ninguém me fazia sentir inferior. Eu lembro exatamente de todas os sentimentos que eu senti sobre a minha aparência e o meu cabelo todos esses anos. Todos eles. Eu sempre achei que a minha beleza dependia do meu cabelo. Muitas vezes eu chorei demais e perguntei à Deus o porquê Ele me deixou nascer assim se Ele sabia que eu sofreria tanto.



A progressiva durou um ano para o efeito "passar". O cabelo aos poucos foi voltando a sua forma original (mas hoje eu sei que ainda havia química nele). Antes disso eu deveria ter voltado ao salão para retocar, mas eu fui gostando da forma dele, não tão liso, mais natural e fui deixando. Com um ano quando era de fato para eu dar outra eu não voltei mais lá. Se eu dissesse que não estava com o dinheiro, não tinha feito orçamentos e quase entrei lá eu estaria mentindo. Mas eu não sei porque eu resisti. Algo dentro de mim resistiu. Eu lembro exatamente do dia que tirei essas fotos acima. Eu vi cachos pela primeira vez! Eu fiz na época o que hoje eu sei que foi uma fitagem,rs. Mas eles não duraram muito, o volume logo apareceu e a frustração também. Eu sempre dizia que se meu cabelo fosse cacheado, cacheado mesmo eu usaria ele natural de boas. Mas na minha visão, cabelo cacheado era aquele de cachos super definidos e sem volume. Eu odiava acima de tudo, o volume do meu cabelo. Eu não podia ver o volume dele. Pra mim meu cabelo era filme de terror. Aí o que eu fiz? O que sempre fazia quando entrava em desespero por não saber lidar com ele. Queria me livrar da química, passei a tesoura. Meu quarto big chop (que hoje eu sei que foi um big chop, na época nem sonhava com esse nome).

E voltei a usar ele preso, sempre,todos os dias, sem um fio fora do lugar. Em 2016 eu fui à uma loja de beleza. Lembro exatamente do que aconteceu. Eu queria um creme pra pentear o cabelo. A vendedora quis testar em uma mecha e eu mostrei o meu cabelo. Ela perguntou porque ele estava curto, eu disse que tinha cortado para tirar a química, ela me olhou e disse: "Deixa crescer agora, corte mais tão curto assim não, mulher" e outras coisas, tudo com uma cara estranha. Saí da loja naquele dia e algo mudou dentro de mim. Minha vida inteira todo mundo achava (e de fato dava) opiniões sobre o meu cabelo, como usar, o que deveria fazer, inclusive foi isso que me fez minha vida escolar inteira não alisar ele. Sofri bullying cada ano, porque não importava o quanto eu me arrumasse, meu cabelo nunca "me deixava ser bonita". Era a época da epidemia da chapinha. Então eu não alisei, de revolta. Esperei só pra depois que eu não estivesse mais no colégio para alisar. Não adiantou no sentido que todas as pessoas continuavam opinando. Mas naquele dia algo mudou mesmo, queria que se explodissem todas as opiniões que me faziam tão mal. Que me faziam sentir feia,porque eu só me sentia feminina quando estava com aquele cabelo liso. Eu lembro bem desse dia. Nesse ano eu me mudei para o  interior e lá ninguém me conhecia e ainda assim era do mesmo modo...


Em 2017 eu comecei a enfrentar um processo de depressão por dezenas de motivos. No meio do ano ficou tudo muito forte e começou a desmoronar. Foram os dias mais difíceis,mas me fizeram questionar muitas coisas sobre mim e sobre a minha vida. Nesse mesmo período o Prim (o amor da minha vida, meu menininho, meu melhor amigo) foi diagnosticado com câncer.Um mastocitoma canino, sem cura. Podia ficar pior? Ficou! Aquilo me destruiu. Passei meses cuidando dele e me afundando em mim mesma. Noites e noites sem dormir direito, quando ele conseguia dormir eu ficava acordada e mergulhava em mim. Eu me mantinha forte, por ele e pensava: "Só tenho o direito de desmoronar quando ele se for". E ele se foi. E foi a maior dor da minha vida. Eu escrevo chorando. Sabe o que é ter um buraco no peito e um vazio enorme? Eu sei que se eu tivesse me entregado ali eu teria morrido de depressão. Lembro do texto que eu escrevi de despedida pra o Prim (tá aqui se você quiser ler, eu mal consigo) onde eu disse que o Prim nunca ligou se o me cabelo era crespo, cacheado, liso, ondulado, frisado. Ele me amava de todas as formas ,simplesmente para ele, cabelo era só cabelo, ele me amava por quem eu era, mesmo imperfeita. E meu cabelo não influenciava em nada. Eu então peguei essa dor e usei de forças. Eu ia viver, mas eu ia ser eu por completa e eu ia começar destrancado o cadeado da maior prisão da minha vida, o meu cabelo. Três dias antes dele se ir eu publiquei a foto de abertura do post. Meu grito de guerra.

Primeira foto com o cabelo semi solto e primeira finalização que tentei

Elefante saindo da caixinha.Era como eu estava me sentindo.
Engraçado que essa parte me apagou da memória. Eu não lembro bem dela. Era uma fase dolorida demais, meu cérebro às vezes guarda tão bem guardado como defesa, que eu não me lembro. Mas eu tenho fotos, porque eu sempre amei fotos, então eu tenho registros :) De fato na minha cabeça algo estava claro: Meu cabelo era crespo. Só volume, sem forma e eu comecei aceitando ele assim. O desbloqueio maior foi esse, eu não precisava ter cabelo cacheado, eu precisava aceitar o meu cabelo do jeito que ele fosse. Isso foi importantíssimo! Mas eu nunca, nunca na vida parei para entender o meu fio, forma, como cuidar, nada!Eu só queria ele liso e ponto. Eu jamais descobriria que meu cabelo tinha cachos, porque eu penteava ele seco. Se cabelo liso penteado e seco é liso, porque cabelo cacheado penteado e seco fica só volume? Então ele não é cacheado, é crespo! Eu pensava exatamente isso e escuto até hoje me dizerem exatamente isso. Até que um dia eu fiz o seguinte, lavei meu cabelo e deixei ele secar naturalmente (nunca deixei ele secar naturalmente, eu prendia ainda molhado). Bati a foto. Ele ficava exatamente assim:


Começou a bugar meu cérebro. "Ele é cacheado?", porque pra mim estava totalmente tudo bem ele ser crespo. Desde que fosse ele, assim, purinho. Então comecei a pesquisar. Eu não usava ele muito solto. Enquanto eu saia com ele preso eu vi mulheres deslumbrantes com seus cabelos naturais, crespos, cacheados (não que lisos ou qualquer outra forma não seja natural e eu esteja excluindo aqui) e aquilo me dava um ânimo. Eu queria abraçar elas, parar cada uma e elogiar a coragem delas. Não que eu não tenha parado algumas aleatoriamente e as elogiado -^^- Aaaaaaah, meu mundo se abriu entre tantas horas pesquisando, vendo fotos e relatos. Aos pouquinhos fui soltando ele. E olha, era libertador ter uma dor de cabeça e não ficar com ele super amarrado. Sair na rua ventando e não estar nem aí pra o vento bagunçar tudo. A sensação real que eu sentia era que eu podia voar, de verdade. Era (é) PURA LIBERDADE. Comecei a levantar a cabeça quando estava com ele solto. Porque no começo eu andava olhando pro chão pra não ver as pessoas olhando pra mim e porque tinham algumas mechas muito indefinidas que saiam do lugar e isso me incomodava. Levantar a cabeça foi marco. Eu estava começando a não ligar pra o que iam falar ou pensar.

Meus penteados seguiam tímidos. Eu nunca fazia penteados em mim antes. Trança para mim era um trauma de infância, quando as da minha irmã escorriam lisas pelos ombros, as minhas ficavam espigadas. Aí eu resolvi fazer trança!

Minha primeira trança com satisfação.Mas meu cabelo estava muito curtinho e não consegui fotografar atrás direito.
Meu bem,foi incrível! Sabe esses fiozinhos ali soltos, fora do lugar? Eu morreria antigamente. Sabe esse voluminho no topo da cabeça com ondulações? Eram inaceitáveis para mim. Eu agora eu não estava nem aí! Quando meu cabelo não estava tão definido, eu sorria pra ele, amava ele e em vez de prender eu fazia da melhor forma com a qual eu inicialmente me sentiria melhor com ele. E tava tudo ótimo! Essa sensação era loucura pra mim!


Eu lembro que em Janeiro uma colega de um curso que eu estava fazendo (Snorem,se você ler isso, é você mesma ) virou pra mim e disse assim: "Posso te fazer uma pergunta? Eu vi teu cabelo natural no insta, porque tu não usa ele solto? É tão lindo ele!" e eu fiquei muda. Alguém disse que meu cabelo era lindo natural? Não tinha cogitado que alguém que ficava olhando podia estar achando ele bonito. Eu sempre achei que olhavam porque ele era...diferente?!
Por mais eu eu realmente não ligasse para as opiniões alheias de forma a deixar isso seguir me afetando, mesmo quando pessoas próximas à mim ainda achavam loucura e falavam do meu cabelo natural, me ofereciam para eu alisar ele, houveram pessoas que diziam que eu estava linda, que meu cabelo era lindo. E eu acreditava na honestidade dessas pessoas. O que me levou a continuar não foi influência dessas pessoas, como já me disseram, fui eu mesma, mas eu lembro de cada comentário lindo que eu recebi. De quem me conhecia ou de quem nem sequer me conhecia e até me parou para falar do meu cabelo. Eu tenho gratidão por cada um desses comentários.


Eu comecei a ter auto estima. Descobri pela primeira vez que alguém só poderia me fazer sentir inferior se eu permitisse. Que nenhuma dessas fotos que estou publicando aqui me fariam sentir vergonha. Eu sou tão mais que o meu cabelo! Hoje eu digo que cabelo é só cabelo, minha versão de antes me chamaria de doida se escutasse eu falando isso, nunca, jamais eu imaginei que acharia isso de verdade. O processo de depressão ainda existe. E o de redescobrimento também. Hora melhor, hora pior. Mas eu tenho lembranças tão boas! Lembranças de me olhar no espelho e me achar linda, L I N D A! E que se uma pessoa virasse para mim no mesmo instante e dissesse que eu estava feia não ia mudar nada. Eu destranquei a chave da prisão, eu sou a única dona dela.


Esse processo ainda continua, até hoje. Sigo aprendendo a cuidar do meu cabelo. Um dia por vez. Sigo amando ele e deixando ele ser quem ele quiser ser. Do jeitinho que ele estiver, eu o aceito. Têm dias bem lokos, têm dias bem calmos. Mas todos os dias são de amor. Eu fico me divertindo fazendo penteados, testando finalizações e balançando ele no ar, sozinha,rs Talvez um dia eu mude, talvez um dia eu alise. Não que eu esteja pretendo fazer isso, mas eu compreendi profundamente que quem decide o que fazer com ele sou eu. Eu não serei menos eu se eu mudar ele, porque hoje eu sei que vou muito além do meu cabelo e que ninguém pode ditar pra mim o que eu deveria fazer com ele. Pra finalizar esse post eu quero contar e dividir qual foi a melhor sensação até agora. Uma das primeiras vezes que eu resolvi sair com ele solto e fui ao banco. Na volta eu sempre volto pela orla, andando um pouco para ver o mar. Nesse dia a ventania estava tão forte e eu fui andando e sorrindo. Meus cabelos brincando no vento, dançando livres, finalmente livres. E eu não liguei pra mais nada 

Eu volto com outro post,em breve. Sobre os cuidados e o que eu tenho aprendido. Se quiser conversar,estou aqui. Me conta tudo aqui embaixo. Te espero.
Com amor,
Layni

4 comentários:

  1. Depois desse post eu preciso de um garrafão de água, porque desidratei no choro aqui :')
    Que orgulho, que orgulho!!! O seu reconhecimento da sua beleza é refletindo nas fotos, principalmemte na forma que você estava sorrindo mais tímida nas primeiras e em como você passou a sorrir mais abertamente e olhar com mais confiança pra lente nas últimas fotos. Esse relato me tocou muito ��
    P.s.: Gritos pelo penteadinho da Shao Xi que teve seu momento de fama aqui, hehe
    Eu quero que o mundo leia esse post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada,mesmo!❤ O modo como eu lidava com a minha imagem antes e como eu lido agora realmente dá para perceber pelo modo como eu sorria antes e como sorrio agora!
      P.s.: O penteadinho da Shao Xi vai me acompanhar por muito tempo ainda,inclusive estou usando ele agora ^^

      Excluir
  2. Obrigada,mesmo!❤ O modo como eu lidava com a minha imagem antes e como eu lido agora realmente dá para perceber pelo modo como eu sorria antes e como sorrio agora!
    P.s.: O penteadinho da Shao Xi vai me acompanhar por muito tempo ainda,inclusive estou usando ele agora ^^

    ResponderExcluir

Oi!Me conta oque achou do post e do blog!Seja educado e eu sei que não vou precisar moderar seu comentário ;)